Qual a importância das certificações para sua carreira na TI?

path2

Antes de prosseguir, devemos responder esta questão: O que é preciso para ter espaço no mercado de trabalho na TI?

Um bom profissional em TI, deve-se mostrar seu valor para o core business do negócio, porém isto, ainda não é suficiente, você deve estar pensando que diploma de graduação é suficiente, porém ainda é insuficiente, o que lhe permitirá ter mais espaço no mercado de trabalho é diploma, cursos e certificações este conjunto são essenciais para que você tenha a chance de mostrar na pratica no que você é bom.

Se torna cada vez mais comum encontrar profissionais de TI sem formação superior mas com algum tipo de certificação com salários melhores do que os profissionais com nível superior mas sem certificação. Este fator não é medido somente pelos profissionais mas também pelas empresas que buscam profissionais em TI. Continuar lendo

Anúncios

Como ganhar clientes com marketing digital nos negócios B2B

Não basta atrair o usuário com estratégias de marketing digital, é preciso convertê-las em potenciais negócios. Esse processo costuma ser ainda mais longo quando se trata de um negócio business to business, ou B2B, como o jargão é conhecido.

“Nos negócios B2B, a compra não é feita por impulso. Os produtos têm uma venda complexa e ciclo mais longo”, afirma Eric Santos, CEO da empresa de marketing online Resultados Digitais. Para ele, há quatro ações fundamentais para as companhias que querem aumentar os resultados na atração de potenciais clientes e na conversão de negócios. Continuar lendo

Por que a Governança de TI é importante?

Por que a Governança de TI é importante?

Uma Governança de TI eficaz requer uma quantidade significativa  de tempo e de atenção da administração. Ela vale a pena?? A dependência crescente das empresas em relação á informação e á TI sugere que sim. Uma boa Governança de TI harmoniza decisões sobre a administração e a utilização da TI com comportamentos desejáveis e objetivos do negocio. Sem estruturas de governança cuidadosamente projetadas e implementadas, as empresas deixam essa harmonia ao aceso. Há muitas razoes para que a tomada de decisões sobre TI não seja deixada ao léu e, então, requeira uma boa governança. Abaixo irei citar algumas razões.

Uma boa Governança de TI compensa.

Entre as empresas com fins lucrativos que obtive com exemplo, as que seguiam uma estratégia especifica (por exemplo, a intimidade com cliente ou a excelência operacional) e apresentavam um desempenho acima da média na Governança de TI tinham lucros superiores, conforme mensurados pelo retorno sobre ativos (ROA) ajustando à indústria durante três anos. As diferenças variavam de acordo com a estratégia da empresa, mas aquelas com desempenho de governança acima da média tinham ROAs mais de 20% superiores aos de empresa com governança inferior e que seguiam estratégias. A governança evidentemente não era o único fator, mas uma boa governança decorre usualmente de boas práticas administrativas em todas as áreas.

A TI é cara

Os investimentos empresariais médios em Tecnologia da Informação excedem hoje 4,2% da receita anual e continuam subindo. Continuar lendo

Quais são as fontes de criatividade e inovação nas pessoas e nas empresas?

A capacidade de gerar ideias originais para a inovação de processos, produtos e serviços tem sido proclamada como a chave para se obter e manter vantagens competitivas num ambiente caracterizado por mudanças aceleradas e feroz competição.

Contribuições criativas dos empregados em todos os níveis da organização têm sido consideradas como fundamentais em todas as discussões sobre inovação. Mas como a criatividade pode ser cultivada, desenvolvida e sustentada no ambiente de trabalho? Quais fatores no ambiente de trabalho são importantes e podem ser manejados para despertar e tirar proveito da criatividade individual? Seriam incentivos financeiros, pressão por resultados rápidos, competição, cooperação, treinamentos, ou o que mais? Continuar lendo

4 dicas para promover mudanças nas empresas

Promover mudanças nas empresas trata-se de um desafio e tanto. Desafio esse que aumenta conforme o tamanho da organização e o quão forte está fundamentada sua cultura. No entanto, mudar é preciso.

Já passei por alguns processos de mudança como implantação de escritório de projetos e início de implementação de governança corporativa de TI e posso dizer, por experiência própria, que é um processo complexo demais e que necessita do envolvimento de vários atores, principalmente, da alta direção da empresa.

Atualmente, estou lendo o livro Design de Negócios, de autoria do professor Roger Martin, Continuar lendo

O novo negócio de Bill Gates – Ganhar dinheiro com o banheiro da sua casa … Que??

Não, você não leu errado. Aquele que já foi o homem mais rico do mundo agora quer você. Ou melhor: as fezes humanas. De acordo com o Technology Review, a Faculdade Imperial de Londres e as universidades de Dunham e Manchester estão sendo financiadas pela Bill and Melinda Gates Foundation para pesquisas que transformam matéria fecal em energia. Isso sim é sustentabilidade, não?

De acordo com press release divulgado por uma das instituições, um protótipo de vaso sanitário já está em desenvolvimento. Ele é, na verdade, uma espécie de rede, capaz de capturar nano-bactérias e nano-partículas metálicas e empregá-las para uso imediato ou então armazená-las para uso posterior. Os pesquisadores dizem que a captura é tão precisa que, a partir das suas fezes, será possível extrair não somente energia, mas também água potável.

Nos planos do projeto, há indícios de que ele possa capturar partículas diferenciadas, como metano e eletrólitos para energia, e amônia para fertilizantes. O pesquisador chefe, Dr. Martyn McLachian, disse que “no futuro, poderemos ter casas no Reino Unido que produzam sua própria água potável, energia e fertilização simplesmente por reutilizar o que vem naturalmente a todos nós uma ou duas vezes por dia”.

E como se sua cabeça já não estivesse confusa o suficiente, caro leitor, aqui vai um vídeo promocional da pesquisa. Não se preocupe: ele é totalmente livre de bactérias (ou será que não?)

Computação em Nuvem possibilita inovações em modelos de negócio e criará novos empregos

Um estudo da IBM apresenta seis propulsores da computação em nuvem para modelos de negócio inovadores, enquanto que um artigo do IDC estima que a computação em nuvem criará em 2015 catorze milhões de empregos ao redor do mundo.

A IBM conduziu um estudo avaliando como as empresas utilizam hoje a computação em nuvem e quais são os planos para o futuro com vista no impacto que este conjunto de tecnologias pode gerar no atual modelo de negócios. A pesquisa envolveu 572 empresas e executivos de TI em todo o mundo e resultou em um artigo com o título O poder da nuvem. Conduzindo a inovação no modelo de negócios (PDF).

O estudo da IBM não pode ser generalizado como uma visão de todo o mercado de TI, contudo oferece uma visão sobre a aplicação de computação em nuvem em grandes corporações. 13% dos entrevistados afirmaram que já implementaram soluções de computação em nuvem. Outros 21% afirmam estarem em processo de adoção e 38% dos avaliados aplicam esta tecnologia em projetos piloto. No total, 72% das corporações entrevistadas aplicam tecnologias de computação em nuvem. Esta adoção está em expansão e nos próximos 3 anos espera-se que 90% das empresas adotem soluções de computação em nuvem. O gráfico abaixo esboça esta tendência:

Embora uma grande percentagem dos entrevistados considerem a computação em nuvem uma tecnologia que mudará o cenário de TI, o estudo conclui que “o potencial para inovação no modelo de negócios ainda é praticamente inexplorado”. O estudo destaca seis características da nuvem que podem inovar o modelo de negócio:

  1. Flexibilidade nos custos: A nuvem muda o paradigma atual de custos fixos para um modelo de custos variáveis (pague somente pelo uso);
  2. Escalabilidade de negócios – Provê computação escalável a um bom custo benefício à medida em que a demanda aumenta;
  3. Adaptabilidade a tendências do mercado – Possibilita lançar produtos mais rapidamente e facilita experimentações;
  4. Redução da complexidade – Possibilita uma expansão da sofisticação dos produtos oferecidos e possibilita mais simplicidade ao usuário final;
  5. Variabilidade orientada ao contexto – Possibilita uma experiência personalizada aos usuários, aumentando a relevância do produto;
  6. Conectividade ao ecossistema – Promove novas redes de valor e potencializa novos negócios.

Outro estudo realizado pelo IDC (PDF) tenta medir o impacto da adoção da computação em nuvem na geração de empregos. Este estudo utiliza uma definição ampla de computação em nuvem, incluindo serviços de storage, virtualização de infraestrutura, automação de configuração e escalabilidade. O IDC prevê que a computação em nuvem criará nos próximos quatro anos 14 milhões de empregos em todo mundo:

Quase metade destes empregos serão criados na China e na Índia, seguidos pela Asia, Europa, África e América do Norte:

Embora o futuro possa não ser tão promissor quanto o projetado pelo artigo, as estatísticas sugerem que a computação em nuvem será bastante comum em um futuro próximo e muitas iniciativas de negócio farão uso dos benefícios da nuvem em seus produtos e serviços.