PRINCE2 x PMBOK

PRINCE2 x PMBNOK

A diferença básica entre PMBOK e PRINCE2 é que enquanto o primeiro é uma base de conhecimento e boas práticas de gerenciamento de projeto, o segundo é uma abordagem estruturada, com processos, papéis e responsabilidades bem definidas, que orienta o gerente e o time de projetos na condução do projeto. O PMBOK orienta “o que” é necessário fazer e o PRINCE2 o “como” fazer. Continuar lendo

Conhecendo o PRINCE2 e se certificando

PRINCE2 é o padrão de facto do Reino Unido para gestão de projetos, desenvolvido pelo governo e usado nos setores público e privado. O acrônimo significa Projects In Controled Environments (projetos em ambientes controlados). O PRINCE2 é agora usado por várias organizações do setor privado no Reino Unido e no resto do mundo e é obrigatório em muitos projetos do setor público na Europa.

A metodologia foi originalmente desenvolvida para uso em projetos de TI, mas, desde seu relançamento como PRINCE2, ela é usada em qualquer tipo de projeto. A propriedade do PRINCE2 é do Office os Government Commerce (OGC) e ele é administrado pela Association os Project Managers Group. O PRINCE2 tem um manual padrão com processos similar ao PMBOK. A diferença entre ele e o PMBOK é que o PRINCE2 foca em produtos e não nas atividades para produzi-los. Isso afeta seu método de planejamento, controle e execução. De qualquer forma, há três partes na estrutura de cada método PRINCE2: processos, componentes e técnicas.

O Foundation é o primeiro dos exames PRINCE2 em que você tem de passar para se tornar um profissional PRINCE2. É preciso demonstrar entendimento dos princípios e da terminologia do método. Especificamente, os candidatos devem ser capazes de descrever a finalidade e o conteúdo principal de todas as funções, dos oito componentes, dos oito processos e dos subprocessos e das técnicas.

O Practitioner é o segundo dos dois exames. O objetivo aqui é medir se o candidato seria capaz de aplicar o PRINCE2 à execução e gerenciamento de um projeto dentro de uma organização.

Certificação PRINCE2 como funciona?

Continuar lendo

PMBOK – Fases da construção de um projeto

  • Fase de Iniciação (Definição): é a fase inicial do projeto, quando uma determinada necessidade é identificada e transformada em um problema estruturado a ser resolvido por ele. Nessa fase a missão e o objetivo do projeto são definidos;
  • Fase de Planejamento: é a fase responsável por identificar e selecionar as melhores estratégias do projeto detalhando tudo aquilo que será realizado, incluindo cronogramas, alocação de recursos envolvidos, custos, etc., para que, no final dessa fase, ele esteja suficientemente detalhado para ser executado. Nessa fase os planos auxiliares de comunicação, qualidade, riscos, suprimentos e recursos humanos também são desenvolvidos;
  • Fase de Execução: é a fase que materializa tudo aquilo que foi planejado anteriormente. Qualquer erro cometido nas fases anteriores fica evidente durante essa fase. Grande parte do orçamento e do esforço é consumida nessa fase;
  • Fase de Monitoramento e Controle: ocorre paralelamente ao planejamento e à execução do projeto. Tem como objetivo acompanhar e controlar aquilo que está sendo realizado pelo projeto, de modo a propor ações corretivas e preventivas no menor espaço de tempo possível após a detecção da anomalia;
  • Fase de Finalização (Encerramento): é a fase quando a execução dos trabalhos é avaliada através de uma auditoria interna ou externa (terceiros), os livros e documentos do projeto são encerrados e todas as falhas ocorridas durante são discutidas e analisadas para que erros similares não ocorram em novos projetos (aprendizados).

Gerenciamento de projetos e PMBOK

Gerenciamento de projetos

Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Dois termos da definição de projetos merecem destaque. Temporário não significa necessariamente de curta duração, mas sim que um projeto possui um início e um término definidos. Isso distingue o projeto dos trabalhos operacionais de natureza contínua.

E exclusivo indica a singularidade da natureza de cada projeto, pois mesmo que elementos repetitivos ou similares possam estar presentes em algumas entregas do projeto, o resultado de cada projeto é obtido sob uma combinação exclusiva de objetivos, circunstâncias, condições, contextos, fornecedores etc.

O gerenciamento de projetos consiste na aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas adequadas às atividades do projeto, a fim de atender aos seus requisitos.

Áreas de conhecimento

As nove áreas de conhecimento caracterizam os principais aspectos envolvidos em um projeto e no seu gerenciamento:

  • Integração
  • Escopo
  • Tempo
  • Custos
  • Qualidade
  • Recursos humanos
  • Comunicações
  • Riscos
  • Aquisições

Escopo, Tempo, Custos e Qualidade são os principais determinantes para o objetivo de um projeto: entregar um resultado de acordo com o escopo, no prazo e no custo definidos, com qualidade adequada; em outras palavras, o que, quando, quanto e como. Recursos Humanos e Aquisições são os insumos para produzir o trabalho do projeto. Comunicações e Riscos devem ser continuamente abordados para manter as expectativas e as incertezas sob controle, assim como o projeto no rumo certo. E Integração abrange a orquestração de todos estes aspectos.

Um projeto consiste nisso: pessoas (e máquinas) que utilizam tempo, materiais e dinheiro realizando trabalho coordenado para atingir determinado objetivo.

Processos do gerenciamento de projetos

A aplicação dos conhecimentos requer a adoção eficaz de processos apropriados. Cada área de conhecimento abrange diversos processos no gerenciamento de projetos.

Um processo é um conjunto de ações e atividades interrelacionadas que são executadas para alcançar um objetivo. Cada processo é caracterizado por suas entradas, as ferramentas e as técnicas que podem ser aplicadas, e as saídas resultantes.

Os cinco grupos de processos de gerenciamento de projetos são:

  • Iniciaçãopmbok_grupos_processos
  • Planejamento
  • Execução
  • Monitoramento e Controle
  • Encerramento

Os grupos de processos de gerenciamento de projetos têm grande correspondência com o conceito do Ciclo PDCA (Plan – Do – Check – Act): Planejar – Fazer – Verificar – Agir (corrigir e melhorar). O grupo de Planejamento corresponde ao Planejar; Execução, ao Fazer; e Monitoramento e controle englobam Verificar e Agir. E como a natureza dos projetos é finita, o PMBOK ainda caracteriza os grupos de processos que iniciam (Iniciação) e finalizam (Encerramento) um projeto.

Além de conceituar os aspectos fundamentais do gerenciamento de projetos, de forma a promover um vocabulário comum dentro dessa profissão, o Guia PMBOK documenta (define e descreve) processos de gerenciamento de projetos e os apresenta didaticamente, organizados em um capítulo por área de conhecimento. Em cada processo, são abordados suas entradas e saídas, suas características, bem como os artefatos, técnicas e ferramentas envolvidas.

O Gerente de Projetos

O gerente do projeto é a pessoa designada pela organização responsável pela condução do projeto, com a missão de zelar para que os objetivos do projeto sejam atingidos. O gerente de projetos tem sido caracterizado por um perfil profissional com domínio e experiência especializados nos processos e nas áreas de conhecimento do gerenciamento de projetos.

O trabalho do gerente de um projeto pode ser sintetizado em dois grandes elementos:

  • Planejar (antes) e Controlar (durante) as atividades do projeto e seu gerenciamento, conforme se pode constatar pela concentração de processos de gerenciamento de um projeto abrangendo todas os aspectos envolvidos.
  • Comunicar: os gerentes de projetos passam a maior parte do seu tempo se comunicando com os membros da equipe e outras partes interessadas do projeto.

Além disso, os gerentes de projetos devem dominar diversas habilidades interpessoais que utilizam com frequência, dentre as quais pode-se destacar:

  • Comprometimento, responsabilidade, ética e honestidade;
  • Transparência, franqueza, clareza e objetividade;
  • Liderança, agregação, motivação e entusiasmo;
  • Solução de conflitos e problemas;
  • Negociação, influência e persuasão;
  • Decisão, iniciativa e proatividade;
  • Organização e disciplina;
  • Autocontrole, equilíbrio e resiliência;
  • Empreendedorismo;
  • Eficácia.

O PMI mantém um Código de Ética e Conduta Profissional (Project Management Institute Code of Ethics and Professional Conduct), criado para incutir confiança à profissão de gerenciamento de projetos e auxiliar os praticantes a se tornarem melhores profissionais. Para isso, o código descreve as expectativas que os profissionais de gerenciamento de projetos tem de si e de seus colegas. Ele exige que os profissionais demonstrem compromisso com a conduta ética e profissional, sendo específico quanto à obrigação básica de responsabilidade, respeito, justiça e honestidade. Isso inclui respeitar as leis, regulamentos e políticas organizacionais e profissionais.

Mais que ser um facilitador, o gerente de projetos deve fazer a diferença no bom andamento e no sucesso dos projetos.

Fonte: Márcio d’Ávila