IBM – cinco sentidos na tecnologia do futuro

IBM anunciou nesta terça-feira, 18, a 7ª edição anual do “IBM 5 em 5”, lista que revela as cinco inovações tecnológicas que irão mudar o modo como as pessoas trabalham, vivem e interagem nos próximos cinco anos.

Para a IBM, os próximos 5 anos serão repletos de novidades.

Baseada em tendências do mercado e sociedade, bem como em tecnologias emergentes dos laboratórios de P&D da IBM em todo o mundo, a lista 2012 apresentou os sentidos humanos como o grande mote das transformações do futuro.

A lista deste ano relatou inovações que formarão a base da próxima era da computação, que a IBM descreve como a “era dos sistemas cognitivos”.

Segundo a fabricante, a nova geração de máquinas irá aprender, adaptar-se, sentir e desenvolver percepções sobre o mundo. Ao falar de percepções, entende-se sentidos – ver, cheirar, tocar, provar e ouvir.

A computação cognitivos permitirá enxergar através da complexidade das informações, com o poder de tomar decisões assertivas, ter qualidade de vida e romper barreiras como distância geográfica, idioma, custo e inacessibilidade.

TATO

Conforme destaca a IBM, já estão em desenvolvimento aplicativos para setores como o de varejo e saúde, usando tecnologias sensíveis hápticas, de infravermelho e pressão, para simular o toque.

Sendo assim, quando um comprador passar o dedo pela imagem de um item na tela de um dispositivo, será possível sentir a textura e outras características sensíveis ao toque.

Usando as capacidades de vibração do telefone, cada objeto terá um conjunto único de padrões de vibração que representam a experiência do toque: padrões curtos e rápidos, ou sequências mais fortes de vibrações.

O padrão de vibrações será capaz de diferenciar materiais, ajudando a simular a sensação física de realmente tocá-lo.

A solução pode ser usada, por exemplo, em aplicativos de e-commerce, onde o comprador poderá sentir a textura do tecido de uma roupa.

VISÃO

Para a IBM, nos próximos cinco anos, os sistemas não apenas conseguirão enxergar e reconhecer conteúdos visuais, como também transformarão os pixels em significado, processando imagens ao modo como uma pessoa vê e interpreta uma fotografia.

No futuro, capacidades “cerebrais” permitirão que os computadores analisem características como cor, padrões de textura ou informações de borda, extraindo conhecimento de mídia visual.

Isso terá um impacto profundo em segmentos como saúde, varejo e agricultura.

Essas funcionalidades poderão ser aproveitadas na área de saúde para analisar volumes maciços de informações médicas, como imagens de ressonância magnética, varreduras de tomografia computadorizada, raios X e imagens de ultrassom.

Segundo destaca o estudo da IBM, estas funcionalidades ajudarão os médicos a detectarem problemas com muito mais velocidade e precisão.

AUDIÇÃO

Nos próximos anos, sistemas com sensores inteligentes serão capazes de detectar elementos de som, como pressão, vibrações e ondas sonoras, em diferentes frequências.

Através destas funcionalidades, sistemas serão capazes de prever quando árvores cairão em uma floresta ou quando um deslizamento é iminente, escutando o ambiente e medindo movimentos para alertar de perigos futuros.

Além disso, sistemas inteligentes poderão identificar padrões de linguagem, mesmo sem a existência de palavras.

A “fala de bebês”, por exemplo, será entendida como uma linguagem, dizendo aos pais ou médicos o que estão tentando comunicar, baseada em tom, tonicidade e hesitações da voz da criança.

PALADAR

Os pesquisadores da IBM destacaram que está em desenvolvimento um sistema de computação que efetivamente experimenta sabores, para ser usado por chefs para criar as receitas mais inovadoras e saborosas.

Detalhando ingredientes até seu nível molecular e misturará a química de compostos alimentares com a psicologia de quais sabores e cheiros as pessoas preferem. o sistema será capaz de criar novas combinações de sabor.

Um sistema como esse também pode ser usado para nos ajudar a comer de forma mais saudável, criando combinações novas de sabores que nos farão desejar uma caçarola de legumes ao invés de batata frita.

Computadores serão capazes de usar algoritmos para determinar a estrutura química exata de alimentos e o motivo das pessoas preferirem certos sabores, examinando como elementos químicos interagem uns com os outros.

OLFATO

Segundo a pesquisa, microsensores embutidos em computadores ou smartphone poderão analisar odores e detectar se a pessoa está prestes a desenvolver alguma doença.

Ao analisar odores, biomarcadores e milhares de moléculas na respiração de uma pessoa, os médicos terão ajuda para o diagnóstico e monitoramento do início de problemas de saúde, tais como problemas no fígado e rins, asma, diabetes e epilepsia, detectando quais cheiros são normais e quais não são.

Na agricultura, softwares poderão “cheirar” ou analisar a condição de solo de cultivos.

Em ambientes urbanos, essa tecnologia será usada para monitorar problemas com detritos, saneamento e poluição, ajudando agências municipais a identificar problemas.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s